domingo, 11 de maio de 2014

Ensaio sobre o Egoísmo

A prova que o monoteísmo está equivocado é que se Deus criou o homem a sua imagem e semelhança ele não pode estar sozinho no mundo. Afinal, todo esse trabalho despendido para criar um mundo tão peculiar e perfeito em todas as suas imperfeições não valeria o esforço se não tivesse para quem se gabar no Olimpo. É certo que escrevo isso só por ter certeza de estarmos longe da inquisição, mais da do passado que a do futuro, mas já que ainda podemos pensar, por que não pensamos sobre isso?. O real fato de tudo é que isso realmente não importa de verdade. Meu objetivo é analisar a natureza egoísta do homem. Muitos filósofos dedicaram obras inteiras à discussão da moralidade, o que por fim se mostra inexistente. A moral é, de fato, uma utopia humana para buscar a salvação, e talvez possa acontecer de alguns acreditarem que estão se saindo muito bem nessa realização utópica. Mas mesmo se pensarmos que alguém, dentre milhões, consegue realizar uma ação sem interesse, como podemos imaginar que essa ação não tenha sido consciente em prol de um reconhecimento, divino que seja, para que possa buscar seu lugar ao lado das 30 virgens? Ou caso contrário, tenha sido mero acaso. Minha crença é, portanto, que não existe ação sem interesse. Todos vivemos em busca da nossa própria satisfação e se tratarmos bem aos outros é porque isso é necessário para o nosso bem-estar. Doações nada mais são do que um sentimento de alívio da culpa por estar em situação de vantagem sobre outras pessoas, os sacrifícios pessoais em prol dos demais não fogem da mesma esfera de satisfação. Quando nós amamos alguém e fazemos tudo por essa pessoa é por temor de sua perda, ela nos faz tão bem que nos incentiva a fazer o mesmo por ela para que o laço não seja desfeito. Mas a partir do momento que esse relacionamento não traz mais satisfação, nada mais importa. Nós precisamos das amizades para não nos sentirmos solitários em infelizes. Não é a toa que o companheirismo, a lealdade, e outros atributos se mostram tão presentes na amizade, mas nenhum desses atributos são de graça. Todos eles visam algo em troca. Desafio qualquer um a expor qualquer ação humana que não seja refutada por algum interesse egoísta escondido por detrás. As mais puritanas das santidades não fogem a esse padrão, por doarem toda a sua existência na terra acreditando em um bem maior em outras dimensões, a qual será para sua própria satisfação. Minha conclusão é que, diferente do que muitos falam, egoísmo não é um defeito, mas uma característica natural do ser humano como tantas outras. Com isso em mente nós termos capacidade, dentro do interesse de cada um, de fazermos uma convivência muito melhor, sem a enraizada hipocrisia que cerca o tema. Finalizando, como não sei muita coisa, isso poder ser, ou não, verdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário